Olá, hoje meu texto é autoral, vou falar um pouquinho de uma experiência que me ocorreu há uns dias atrás.

Bom, estou grávida de 7 meses, quase 8 já e não tenho o que reclamar da minha primeira experiência gestacional.

Mas apesar de tudo estar indo bem comigo e com o bebê, quero relatar aqui principalmente para as grávidas e os grávidos do momento, algo que pode vir a acontecer com qualquer uma nesse estado.

O que me levou a escrever sobre isso hoje é poder auxiliar outras grávidas, dividindo um pouco da minha experiência

Sabemos que na gravidez ocorrem várias mudanças com a mulher: o corpo muda, as emoções ficam mais afloradas – sentimentos, medos, inseguranças. Isso tudo logo nos primeiros meses, por vivenciarmos na pele, por pessoas falarem, além de pesquisas  na internet.

Mas viver na pele a experiência de cada um desses sentimentos é muito diferente de ter o apenas conhecimento.

Na realidade não sei bem o que desencadeou o que irei contar. Acho que não houve um único  motivo e sim uma somatória de vários acontecimentos.

Na semana passada passei por um momento muito diferente e confesso que muito desagradável.

Não estava muito bem, estava meio para baixo, triste não sabia o porquê: sem motivos para isto, desconhecendo o porquê deste sentimento. Imagino que deviam ser meus hormônios trabalhando ferozmente.

Fiz meu trabalho cotidiano, não completamente, deixei para o dia seguinte uma de minhas tarefas daquele dia com o pensamento que no próximo dia acordaria melhor.

No dia seguinte, pareceu-me  estar  tudo bem. Novamente segui meu cotidiano

até  abrir meu notebook e me dar conta que meu site havia saído do ar, e sabia o motivo.

Naquela hora parece que saí de mim, não me reconheci, entrei num desespero imenso, parecia algo irreparável, um tsunami… Não sei como explicar como me senti, fiquei totalmente descontrolada, só conseguia chorar. (E eu não sou assim, já há algum tempo com tratamento terapêutico e meu autoconhecimento sei que  não agiria desta forma em outro momento.) Como vocês sabem, sou terapeuta holística e coach com foco em saúde emocional e bem estar

Mas aquele sentimento estranho dentro de mim persistia no entanto algo me  chamou a  atenção é que o “problema” era simples, mas para chegar nesta conclusão não foi nem na mesma hora e nem no mesmo dia.

Os pensamentos que passavam na minha cabeça só pioravam meu estado, pois ainda pesava a culpa de saber que estava transmitindo para o bebê, e ainda somando-se o sentimento de culpa e cobrança de não estar conseguindo me controlar, afinal sou terapeuta, mas antes de tudo ser humano com defeitos  qualidades e sentimentos, (essa racionalização só consegui ter depois) e  então busquei apoio.

E foi aí que resolvi parar, tudo respirar fundo e me permitir sentir tudo aquilo. Fui respirando, respirando, e novos pensamentos começaram a surgir. Fiz um  reiki, preparei uma nova fórmula de floral e comecei a tomar um fitoterápico que ajuda a controlar os hormônios E depois disso continuo todos os dias.

O que quero passar com a minha experiência?  São duas coisas:

Primeiro que não devemos nos culpar por sentir medo, raiva, insegurança, pois são sentimentos naturais do ser humano e nesta fase os hormônios realmente mexem muito com a gente, a nova vida que teremos também, e que devemos nos permitir.

Segundo é possível nos controlarmos sim. Eu já tomo floral há algum tempo. A  última fórmula eu mesma preparei com essências para mim e o para bebê.

Uma observação, o meu floral havia acabado há alguns dias e acabei enrolando para preparar outro, até que aconteceu tudo isso.

O floral é um remédio natural, contudo existem momentos que devemos intensificar o uso para que passemos por certas situações com mais tranquilidade e harmonia.

E podendo associar a outras práticas como o Reiki, alguns fitoterápicos, florais quânticos, melhor ainda. Agora que estou na reta final da gravidez continuarei com meu tratamento terapêutico direitinho, para que nós tenhamos equilíbrio agora e depois do nascimento, pois a gravidez terá todas aquelas transformações sim, mas buscando o equilíbrio saberemos passar por elas com plenitude.

 

Responder